Associação Brasileira de Recursos Hídricos
Facebook
Linkedin
Twitter
SISTEMA DE REVISÃO: SUBMETA SEU ARTIGO
   
Login / Cadastre-se
 

XXII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos

TEMA: Ciência e tecnologia da água: inovação e oportunidades para o desenvolvimento sustentável

DATA: 26 de novembro a 01 de dezembro de 2017 - LOCAL: Florianópolis - SC

MINICURSO 1
ESTIMATIVAS DE VAZÕES PARA BACIAS SEM DADOS EM APOIO A IDENTIFICAÇÃO DO POTENCIAL HIDROENERGÉTICO (PCHs) E VAZÕES DE OUTORGA – MÉTODO SILVEIRA

Ministrantes: Prof. Eng. Civil Dr. Geraldo Lopes da Silveira - Professor Titular da UFSM
Prof. Eng. Ambiental Dr. João Francisco Carlexo Horn - Professor Adjunto da UFSM

Descritivo: para detalhes sobre conteúdo e programação clique aqui

Data: 26/11/2017
Horário: 8:30 às 18:30

Valor Inscrição: 
Associados – R$ 1000,00
Não Associados – R$ 1.200,00
Estudantes – R$ 800,00

Máximo – 25 pessoas
Mínimo – 08 pessoas

** No caso do minicurso não atingir o número mínimo de participantes estabelecido acima, a Comissão Organizadora reserva o direito de cancelar a realização do mesmo e providenciará o ressarcimento das inscrições realizadas para a atividade em questão.

Clique aqui para se inscrever

MINICURSO 2
Modelo MGB-IPH

Ministrantes: Walter Collischonn e Fernando Fan

Descritivo: para detalhes sobre conteúdo e programação clique aqui

Data: 26/11/2017
Horário: 8:30 às 18:30

Valor Inscrição: 
Associados – R$ 1000,00
Não Associados – R$ 1.200,00
Estudantes – R$ 800,00

Máximo – 15 pessoas
Mínimo – 08 pessoas

** No caso do minicurso não atingir o número mínimo de participantes estabelecido acima, a Comissão Organizadora reserva o direito de cancelar a realização do mesmo e providenciará o ressarcimento das inscrições realizadas para a atividade em questão.

Clique aqui para se inscrever

MINICURSO 3
Método lógico para escrita científica

Ministrantes: Dr. Teodorico Alves Sobrinho – Professor Titular da FAENG/UFMS. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Editor Associado da Revista Brasileira de Recursos Hídricos. (Visualizar currículo)

Descritivo: para detalhes sobre conteúdo e programação clique aqui

Data: 27 e 28 de Novembro
Horário: 17h00 às 20h00

Valor: Gratuito para participantes do Simpósio. Inscrições restritas a capacidade do curso.

Máximo – 50 pessoas
Mínimo – 08 pessoas

** No caso do minicurso não atingir o número mínimo de participantes estabelecido acima, a Comissão Organizadora reserva o direito de cancelar a realização do mesmo.

Clique aqui para se inscrever

MINICURSO 4
Estudo de formação de brechas de ruptura hipotética de barragens

Ministrante: Pedro Guilherme de Lara - Diretor Técnico da Fractal Engenharia. Colaborador no desenvolvimento da ferramenta McBreach.

Descritivo: para detalhes sobre conteúdo e programação clique aqui

Data: 30/11/2017
Horário: 13:30 às 16:30

Valor Inscrição: 
Associados – R$ 500,00
Não Associados – R$ 600,00
Estudantes – R$ 400,00

Máximo – 15 pessoas
Mínimo – 08 pessoas

** No caso do minicurso não atingir o número mínimo de participantes estabelecido acima, a Comissão Organizadora reserva o direito de cancelar a realização do mesmo e providenciará o ressarcimento das inscrições realizadas para a atividade em questão.

Clique aqui para se inscrever

MINICURSO 5
Microeconomia dos Recursos Hídricos
Teoria e Métodos de Cobrança pelo Uso da Água

Ministrante: Geraldo Sandoval Góes, Engenheiro e Doutor em Economia

Descritivo: para detalhes sobre conteúdo e programação clique aqui

Data: 26/11/2017
Horário: 09h00 às 13h00

Valor Inscrição: 
Associados – R$ 500,00
Não Associados – R$ 600,00
Estudantes – R$ 400,00

Máximo – 30 pessoas
Mínimo – 08 pessoas

** No caso do minicurso não atingir o número mínimo de participantes estabelecido acima, a Comissão Organizadora reserva o direito de cancelar a realização do mesmo e providenciará o ressarcimento das inscrições realizadas para a atividade em questão.

Clique aqui para se inscrever

MINICURSO 6
ANÁLISE BAYESIANA APLICADA À HIDROLOGIA

Ministrantes: Pedro Luiz Borges Chaffe, Debora Yumi de Oliveira e Paula Cunha David

Carga horária: 6 horas

Descrição: Introdução ao teorema de Bayes; Introdução à amostradores MCMC; Inferência Bayesiana aplicada à análise de frequência de vazões extremas e modelagem hidrológica.

28 de novembro - das 14h00 às 17h00
30 de novembro - das 14h00 às 17h00

Requisito: cada participante deverá levar o seu computador, já com Excel e MATLAB instalados

Valor: Gratuito para participantes do Simpósio. Inscrições restritas a capacidade do curso.

Máximo – 15 pessoas
Mínimo – 06 pessoas

** No caso do minicurso não atingir o número mínimo de participantes estabelecido acima, a Comissão Organizadora reserva o direito de cancelar a realização do mesmo.

Clique aqui para se inscrever


Patrocínio - Platina

 

Patrocínio - Safira

Patrocínio - Ouro

Patrocínio - Prata

Patrocínio - Bronze

Patrocínio - Estanho

Patrocínio - VIP

Cota Apoio Especial

Apoio institucional

 
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA
DE RECURSOS HÍDRICOS

Onde Estamos
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Caixa Postal 15029 - CEP 91501-970 Porto Alegre - RS

Nossos Contatos
Fone: (51) 3493 2233 / 3308 6652 - Fax: (51) 3493 2233 - E-mail: abrh@abrh.org.br

 

ESTIMATIVAS DE VAZÕES PARA BACIAS SEM DADOS EM APOIO A IDENTIFICAÇÃO DO POTENCIAL HIDROENERGÉTICO (PCHs) E VAZÕES DE OUTORGA – MÉTODO SILVEIRA

ESTIMATIVAS DE VAZÕES PARA BACIAS SEM DADOS EM APOIO A
IDENTIFICAÇÃO DO POTENCIAL HIDROENERGÉTICO (PCHs) E VAZÕES DE OUTORGA 
– MÉTODO SILVEIRA

CONTEXTO
A estimativa de escoamento de pequenas bacias é uma necessidade atual de empreendedores e de gestores de ambientais para a instrução de processos de Licenciamento Ambiental e concessão de Outorga de Uso de Recursos Hídricos. Além disso, o projeto de PCHs, necessita de estimativas de vazões mais vinculadas a realidade local do aproveitamento de forma a diminuir a incerteza hidrológica no dimensionamento das usinas. Estudos recentes mostram a possibilidade de uso do método para bacias drenagens de até 1000 km2.

OBJETIVOS DO CURSO:
Apresentar os conceitos relacionados ao escoamento em fase de deplecionamento fluvial e o posterior ensaio do Método Silveira(1997) para a estimativa de vazões medianas a mínimas (q50%, q99% e Q7,10) em pequenas bacias. O método exige o levantamento de pequenas amostragens locais em seções fluviais de interesse tomadas como referência (realidade local), por meio da execução de três ou mais medições de descargas em períodos de estiagem. Após realiza-se balanço hídrico com modelo simplificado (dois parâmetros), baseado em séries de precipitações locais com intervalo de tempo diário.           

REFERÊNCIAS
Esta abordagem metodológica tem sido recomendada em notas técnicas da ANA e adotado  em vários estados brasileiros, alguns por meio de decreto. A bibliografia de referência é a tese de doutorado do Prof. Geraldo Lopes da Silveira junto ao Programa do IPH-UFRGS de 1997. Ensaios recentes do Método também foram objeto da Dissertação de Mestrado de 2012 da Eng. Civil Marília Tamiosso no PPGEC-UFSM e da Tese de Doutorado de João Francisco Horn no PPGEA-UFSM.

PUBLICO ALVO:
Empreendedores, Profissionais, Técnicos de Órgãos Gestores tenham interesse sobre o tema relacionado aos processos de Licenciamento Ambiental e Outorga de Uso dos Recursos Hídricos.

MINISTRANTES:

DURAÇÃO:
Carga Horária de Ensino Presencial:          10 horas

DATAS E LOCAL DE REALIZAÇÃO:

PROGRAMA PRELIMINAR

Horário Bloco 1  - Primeiro dia
13h00 - 13h30 Recepção e entrega de materiais
13h30 - 15h00 1. Os Processos Legais de Licenciamento e de Gestão e a relação com a estimativa de vazões
1.1. Diretrizes Gerais de Ação da Política Nacional de Recursos Hídricos e Ambiental
1.2. Os Instrumentos de Gestão de Recursos Hídricos
1.3. O manejo adaptativo e as estratégias de sustentação do Licenciamento Ambiental
1.4. O Balanço Hídrico de Outorga
1.5. O potencial Hidro energético para Pequenas centrais Hidrelétricas
15h00 - 16h30 2. Monitoramento hidrológico  para avaliação de disponibilidade hídrica em pequenas bacias
2.1. Esquema da resposta hídrica de uma pequena bacia
2.3. Esquema de Monitoramento com objetivo de avaliar disponibilidade
2.3  Resultados Obtidos por meio da abordagem do “intervalo diário” de monitoramento para pequenas bacias
16h30 - 17h  Intervalo para café
17h00- 18h30 3. O Método Silveira(1997)
3.1. Intervalo de Tempo de Simulação Chuva-Vazão = Diário
3.2. O Modelo de Pequenas Bacias MPB-UFSM
3.3. Fluxograma Metodológico para estimativa de vazões.
Horário Bloco 2  - Segundo dia
08h30  10h 4. Passo a Passo: Atividades de preparação para aplicação do Método
4.1. Caracterização da Bacia Hidrográfica: Planos de Informação, Mapas, Cálculo de Índices e Área da Bacia
4.2. Inventário dos dados pluviométricos, fluviométricos, evaporimétricos.
4.3. Preparação de Séries cronológica em preparação a aplicação de modelo hidrológico;
4.4.  Planejamento, elaboração e execução das campanhas de campo.
4.5.  Cálculo do deplecionamento fluvial a partir da pequena amostragem (medições locais)
10h00 - 11h15 5. O Modelo de Pequenas Bacias MPB-UFSM
5.1. Fluxograma do Modelo
5.2.Simplificações e Reflexos na Estimativas de Parametros.
5.3 Código Fonte para simulação em Planilha Exel            
11h15 - 11h30 Intervalo para café
11h30 - 12h45 6. Aplicação Pratica em Planilha Excel
6.1. Abertura da Planilha e apresentação dos Códigos
6.2. Fornecimento das planilhas com séries cronológicas dos dados do balanço hiidrico
6.3. Aplicação do modelo - ajuste dos parâmetros.
12h15 - 13h00 7. Resultados Recentes
7.1. Bacias Estudadas
7.2. Resultados do Método Silveira e modelos convencionais chuva-vazão
7.3. Avaliação de operacionalidade e efetividade do processo de estimativas de vazões: (a) em apoio ao Licenciamento e Outorga e (b) avaliação do potencial hidro energético para Pequenas centrais Hidrelétricas
13h00 - 13h30 Encerramento

Modelo MGB-IPH

O MGB-IPH é um modelo que pode ser utilizado para representar os processos hidrológicos em bacias hidrográficas de grande escala. Ele tem sido utilizado com sucesso em bacias com área de drenagem superior a 1000 km² em aplicações relacionadas a: estudos de processos hidrológicos, estimativa de disponibilidade de água em planos de bacias, simulação de impactos de mudanças climáticas, e outras.

O modelo vem sendo desenvolvido e aprimorado no Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) ao longo dos últimos 17 anos.

O curso será ministrado pela atual equipe de desenvolvimento do modelo, membros do grupo de pesquisa em Hidrologia de Grande Escala (HGE - http://www.ufrgs.br/hge/mgb-iph/).

Este curso apresenta uma introdução ao uso do modelo hidrológico de grandes bacias MGB-IPH. Trata-se de um treinamento de 1 dia de duração, que capacitará os participantes a aplicar o modelo MGB-IPH em uma bacia de grande escala. Serão apresentadas as ferramentas de pré-processamento em SIG, a preparação dos dados hidrológicos e as etapas de simulação.

Conteúdo

1. Introdução Teórica
2. Discretização da bacia usando o IPH-Hydro Tools (IPH-HT)
3. Definição de Unidades de Resposta Hidrológica
5. Aquisição automática de dados hidrológicos da ANA
6. Definição de parâmetros do modelo
7. Simulação da bacia
8. Calibração dos parâmetros do modelo hidrológico
9. Exemplos de aplicação

Pré-requisitos dos Inscritos

Os pré-requisitos para participação no curso são:

1. Levar computador (notebook) com sistema operacional Windows 64bits, internet, 4gb de memório RAM, e acesso de administrador (para instalação de programas e acesso a pastas no C:/);
2. Ter cursado pelo menos uma cadeira de Hidrologia no âmbito de graduação ou de pós-graduação;
3. Ter cursado pelo menos uma cadeira de SIG ou de Geoprocessamento no âmbito de graduação ou de pós-graduação;

Método lógico para escrita científica

RESUMO: No curso desenvolvemos proposta contemporânea de como realizar a escrita científica com estilo internacional. O conteúdo diverge do que se aprende na maçante disciplina de Metodologia e Redação Científica (infelizmente ministrada, na maioria das Faculdades, de forma equivocada). Neste contexto, as questões abordadas no Curso são: Você quer evitar erros que se cometem ao elaborar manuscritos, causando a sua rejeição em revistas científicas? Você deseja obter dicas sobre como publicar com qualidade e sucesso? Você quer saber como escolher o periódico certo e aumentar, assim, as chances de aceite? Você conhece o Método Lógico e o Estilo científico contemporâneos de redigir visando publicação em Revista Internacional? Você tem dúvida para definir o teste estatístico adequado aos seus dados? Como redigir (e orientar) com estilo TCC, Dissertação, Tese e Manuscrito usando o Método Lógico? Venha se atualizar e transformar com estilo! Ter estilo abre portas!

OBJETIVO

Demonstrar os fundamentos de como estruturar, de forma lógica, textos científicos (Monografia, Dissertação, Tese e Artigo Científico), fornecendo as bases para sua construção com estilo científico internacional.

EMENTA

Pensamento e Método científicos. Tipos Lógicos de Pesquisa. Variáveis e delineamentos experimentais. Escolhendo o teste estatístico. Estrutura da Pesquisa. Estrutura e lógica do texto científico. Componentes essenciais. Estilo de Redação. Estruturando e Redigindo o Texto Científico. Praticando com estilo.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

01.Introdução à pesquisa científica: Pensamento e Método Científicos. Tipos Lógicos de Pesquisa. Variáveis e delineamentos experimentais. Escolhendo o teste estatístico. Estrutura da Pesquisa Científica e Publicação Científica.

02.Estrutura do Texto Científico: Estrutura e lógica de um texto científico. Componentes essenciais. Estilo de Redação. Estruturando e redigindo o texto científico. Praticando com estilo.

PÚBLICO ALVO

Professores orientadores (principalmente) e estudantes de graduação e de pós graduação que desejam adquirir ou atualizar o conhecimento sobre o contemporâneo Método Lógico para Redação Científica.

Microeconomia dos Recursos Hídricos
Teoria e Métodos de Cobrança pelo Uso da Água

PROFESSOR: Geraldo Sandoval Góes, Engenheiro e Doutor em Economia

A cobrança pelo uso de recursos hídricos, cujos pressupostos o Brasil inspirou do modelo francês, apresenta-se como um valioso, porém polêmico, instrumento de gestão incumbido de promover o uso racional dos recursos hídricos e gerar receitas para os comitês de bacia hidrográfica. A cobrança pelo uso de recursos hídricos é um dos instrumentos de gestão que, aliado à outorga e outros instrumentos, atua como um dos mais eficazes indutores ao uso racional desse recurso. É um mecanismo educador que objetiva: mudar o paradigma de água como bem infinito e de livre acesso, passando a reconhecê-la como um recurso dotado de valor econômico e dando ao usuário uma indicação de seu valor; motivar a racionalização de seu uso; e arrecadar recursos para financiar programas e intervenções propostos nos Planos de Recursos Hídricos (BRASIL, 1997, Art. 19).

Os valores arrecadados com a cobrança pelo uso de recursos hídricos devem ser aplicados prioritariamente na bacia hidrográfica em que foram gerados e serão utilizados: no financiamento de estudos, programas, projetos e obras incluídas nos Planos de Recursos Hídricos; e no pagamento de despesas de implantação e custeio administrativo dos órgãos e entidades integrantes do SINGREH, limitada a 7,5% do total arrecadado (BRASIL, 1997, Art. 22).

O Minicurso apresentará o referencial teórico, desenvolvido pela microeconomia, dos métodos de cobrança pelo uso da água e será realizada a análise de artigo pré-selecionado visando a aplicação prática dos conceitos aprendidos em sala.

Contribuir na capacitação de profissionais que atuam na área de recursos hídricos em órgãos governamentais, organizações não-governamentais e empresas privadas tais como: institutos de pesquisa, de saneamento, planejamento e de gestão ambiental; fundações.

Preparar profissionais para que utilizem os princípios da economia e o domínio dos conceitos, técnicas e ferramentas da microeconomia na análise das diversas metodologias de cobrança pelo uso da água.

1. Conceitos microeconômicos

2.   Tipologias dos modelos de precificação da água

3. Realocação de direitos do uso da água.

4.     Estudo de caso de uma bacia hidrográfica brasileira

Geraldo Sandoval Góes é Engenheiro Eletrônico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Doutor em Economia pela Universidade de Brasília (UnB). Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental. Assessor da Diretoria de Recursos Hídricos da Secretaria de Recursos Hídricos e Qualidade Ambiental (SRHQ) do Ministério do Meio Ambiente (MMA). Foi durante oito anos pesquisador do Ipea na Diretoria de Estudos e Políticas Regionais Urbanas e Ambientais. É professor colaborador na Escola Nacional de Administração Pública (ENAP). Possuir vários livros publicados e recentemente, em março de 2017, recebeu o 1º lugar do IV Prêmio do Serviço Florestal Brasileiro em Estudos de Economia e Mercado Florestal. Atualmente, está envolvido em estudos e construção das Contas Econômicas Ambientais da Água e indicadores para o ODS 6. Professor de Macroeconomia, Microeconomia, Estatística e Econometria.

Estudo de formação de brechas de ruptura hipotética de barragens 

Objetivo: Apresentar fontes de incerteza na análise numérica de formação de brechas de ruptura hipotética de barragens de acumulação hídrica.

Público alvo: Estudantes, engenheiros e profissionais da área de recursos hídricos interessados em ampliar seus conhecimentos acerca da modelagem numérica.

Pré-requisito: Conhecimentos em hidráulica, estatística e mecânica do solos.

Apresentação – Fontes de incerteza e tipos de barragens 14:00 – 14:30
Aula: Introdução a modelagem de formação de brechas de ruptura – Visão determinística e probabilística14:30 – 15:15
Pausa15:15 – 15:30
Aula: Revisão da hidráulica de escoamento não permanente e não uniforme e modelo conceitual15:30 – 16:15
Simulação de ruptura de barragem com HEC-RAS16:15 – 16:45

*necessário levar laptop com o software HEC-RAS 5.0.3 instalado.